Espaço dedicado à divulgação das iniciativas de solidariedade com o povo martrizado do Darfur, banco de voluntariado da Campanha porDarfur e testemunhos.
Contactar Plataforma porDarfur



.links

.posts recentes

. Vigília por Darfur

. Vigília por Darfur

. Propostas de capa para o ...

. Comentários... (deixe ta...

. Dalai Lama alerta para cr...

. António Guterres comenta ...

. Dia Global de Acção porDa...

. Testemunhos

. Kit Campanha por Darfur -...

. Voluntários precisam-se!

.arquivos

. Dezembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Junho 2007

blogs SAPO

.subscrever feeds

Quarta-feira, 29 de Agosto de 2007

Testemunhos

Samia Ramadan, 5 anos. Chora e pergunta todos os dias pelos irmãos que foram mortos pelos janjauid em Buram.

Zinat Abdu, 3 anos, diz que a casa onde vive agora é muito pobre comparada com aquela em que vivia em Bulbul e que no campo de refugiados de Kalma não tem ovelhas nem cabras para guardar e brincar… nem leite.

Abd el Wahab e a Raqui, 7 ou 8 anos, trabalham com e como os adultos à entrada do campo refugiados de Kalma a fazer tijolos: «Quero trabalhar aqui, fazer e vender muitos tijolos para fazer uma casa para mim e meus avós.» Os seus pais e resto da família foram mortos pelos janjauid.

Ramadan estava prestes a casar com Leila quando vieram os janjauid… Destruíram, queimaram e levaram-lhe a querida noiva que nunca mais chegou a ver. Depois de dois anos Leila ainda estará viva? Talvez escrava?

Abdu e Hachim bateram à porta da missão de Nyala era quase meia-noite. Afoitei-me e fui abrir. «Pedimos protecção por esta noite», dizem. Quase que falam ao mesmo tempo e têm pressa de entrar. «Os amigos dos jaunjauid sabem que estamos aqui na cidade». Abdu e Hachim fugiram de Greida onde se luta há 4 dias. Apareceu uma alma amiga que lhes deu guarida e protecção porque sabia o perigo que tanto eles como eu corríamos. Na manhã seguinte partiram para o sul. São sulistas e cristãos.

Jamal viu-me à entrada do seu campo de refugiados em Kalma e perguntou: «Porque não multiplicais os esforços sanitários aqui? Falta de tudo, mas ao menos se houvesse algumas latrinas haveria muito menos risco de infecções e cólera…» É perigoso parar à entrada de um destes campos, eu sei. Mas eu queria ouvir alguém, falar, partilhar esperanças, pobrezas e riquezas. Que as há. De uma e outra parte. Num e noutro sentido.
 

P. Feliz Martins,Missionário Comboniano no Darfur


publicado por darfur às 12:28

link do post | comentar | favorito
|

Assine a petição e divulge

Imprima e faça cirlcular a petição

Petição ao Embaixador da China

.Fale conosco


.Como pode ser dinamizada na sua escola a campanha porDarfur?


."Rádio online porDarfur" vários artistas africanos